Facebook Messenger terá “chat secreto” com criptografia

0
217
Conversas secretas: o recurso implantado pela rede social é semelhante ao de outros aplicativos como o Telegram e o WhatsApp, que também já adotaram a mesma tecnologia

São Paulo – O Messenger, aplicativo de mensagens instantâneas do Facebook, atualizou seu sistema de segurança para começar a oferecer a possibilidade de os usuários criarem chats secretos.

Para isso, o serviço vai passar a usar um sistema de criptografia ponta-a-ponta, em que o conteúdo das conversas só é acessível pelas pessoas envolvidas.

O novo recurso é opcional e precisa ser ativado pelo usuário para funcionar. O recurso implantado pela rede social é semelhante ao de outros aplicativos como o Telegram e o WhatsApp, que também pertence ao Facebook e já havia adotado a mesma tecnologia.

Mas, ao contrário do WhatsApp, nem todas as conversas no Messenger terão criptografia de ponta-a-ponta, mas apenas aquelas realizadas no “chat secreto”.

Por enquanto o recurso está em fase de testes por um grupo limitado e só deve chegar a todos os usuários no final do ano. Mas para obter esta proteção adicional nas conversas trocadas pelo aplicativo, os usuários terão de abrir um “chat secreto” no Messenger.

As conversas secretas são acessíveis em um único dispositivo e ainda é possível definir um período de validade para que as mensagens sejam apagadas.

Uma vez que o tempo se esgote, a mensagem irá desaparecer dos dispositivos de todos os usuários envolvidos na conversa.

A nova opção de chat não terá suporte a alguns recursos do Messenger, como envio de GIFs e vídeos, nem a realização de pagamentos e transferências de dinheiro.

O novo recurso de segurança destaca as ambições do Facebook para Messenger, que agora tem mais de 900 milhões de usuários mensais no mundo inteiro. As conversas secretas devem chegar primeiro aos aplicativos do Messenger para Android e iOS.

O Facebook não divulgou quando o novo recurso estará disponível na versão web do mensageiro, integrada à rede social.

DEIXE SUA RESPOSTA